11/12/2006

Comissão defende interesses do interior de Portugal

O presidente da Comissão Nacional de Combate à Desertificação, Vítor Louro, anunciou a proposta de criação de um órgão que defenda os interesses do interior do país. O responsável não adiantou pormenores sobre a proposta, uma vez que serão conhecidos esta quarta-feira em conferência de imprensa, assim como os principais números sobre o povoamento em Portugal. Citado pela Lusa, Vítor Louro precisou que a Comissão pretende criar um órgão específico de combate à desertificação. O balanço do Ano Internacional dos Desertos e Desertificação em Portugal inclui uma listagem de todas as iniciativas organizadas ao longo deste ano, de sensibilização das populações locais, meios universitários e escolares sobre o problema. Segundo Vítor Louro, «milhares de pessoas» foram envolvidas nestas acções, mostrando «um grande interesses pelo tema». De salientar ainda que no mês passado, nas Jornadas Ambientais da Liga para a Protecção da Natureza (LPN), em Castro Verde, vários especialistas em desertificação reclamaram mais verbas para fixar as populações no interior do país e para combater a desertificação que atinge cerca de um terço do território nacional.
in - portugalmail

2 comentários:

Luis Silva disse...

Relativamente a este tema que me interessa particularmente uma vez que no dia-a-dia o vivo no terreno, tenho a dizer o seguinte: Aqui no interior isto está cada vez pior. Ando há anos a falar que um dos grandes problemas de alguns locais aqui do interior da Serra da Estrela é a falta de uma rede de transportes que permita a que cidadãos deste concelho de Seia se desloquem à sede de concelho sem, gastarem aos 40 e 50 euros em táxis, mas o que se vê é um total desinteresse por esta situação. Seia tem perdido muito investimento por causa deste problema. Há municipes deste concelho que vão para Oliveira do Hospital, onde depositam o seu dinheiro nos bancos de lá, fazem lá os seus seguros, investem no comércio de lá porque têm uma melhor rede de transportes à sua disposição. Seia não quer saber disso e nada faz para resolver este problema. Ainda este fim-de-semana no Correio da Manhã vinha um retrato sobre a desertificação no concelho de Seia e um dos principais problemas apontados foi este...mas não vale a pena gastar mais latim e dedos neste teclado. Somos pobres e a cada dia que passa mais pobres seremos. Portanto, se a desertificação aqui no nosso concelho está a ser um problema cada vez mais visivel, acreditem que não é por acaso, mas sim por falta de visão de muito boa gente.

Luis Silva disse...

...ou então por egocentrismo...