22/12/2009

Feliz Natal para os meus leitores

A todos os meus leitores/as desejo um Santo e Feliz Natal,
Solidário e com muita Saúde

Câmara Municipal de Gouveia não está envolvida no caso "Face Oculta"

A Câmara Municipal de Gouveia e os seus funcionários não têm nem tiveram nenhuma ligação com o processo "Face Oculta", concluiu o inquérito interno aberto pela autarquia na sequência de notícias surgidas nos meios de comunicação social. O inquérito, conduzido por uma personalidade "externa e independente", conclui pela "absoluta inexistência de quaisquer factos atinentes à Câmara Municipal de Gouveia, hipoteticamente conexos com o aludido processo", anunciou em comunicado o presidente do executivo camarário, Álvaro Amaro. Na mesma nota, a autarquia confirma que em Janeiro de 2009 o município efectuou uma consulta a seis empresas para encaminhamento de resíduos VFV (Veículos em Fim de Vida). A esta consulta responderam três empresas, sendo que a proposta mais favorável foi apresentada pela O2 Ambiente - Tratamento e Limpezas Ambientais SA, pelo valor de 400 euros. No entanto, o inquérito confirma que "nenhuma adjudicação foi efectuada à referida empresa no que concerne à descontaminação de depósitos de substâncias poluentes existentes na antiga fábrica Bellino & Bellino".

Portugal: Doze bebés abandonados em 2009

Contabilidade é de apenas quatro maternidades, porque Portugal não dispõe de uma estatística nacional.
No ano de 2009, em quatro das maiores maternidades do país, foram rejeitados 12 bebés pelas mães, após o parto. Quantos o foram no país inteiro, não se sabe, porque Portugal não dispõe dessa estatística. Engravidam, carregam-no nove meses dentro de si, mas após o parto deixam-no no hospital, para futura adopção. Para melhores dias. É o caso do Filipe, filho de mãe portadora de HIV; ou Pedro, filho de menina universitária a quem drogaram em noite de festa e que não sabe quem a engravidou; é o caso de muitos outros. No total, não sabemos quantos, porque Portugal não tem essa estatística. Não estão contabilizados os bebés que ficam no hospital, entregues pelas mães após o parto, para futura adopção; não estão contabilizados aqueles cujas mães simplesmente os abandonam na maternidade, tendo dado nome e morada falsa; e muito menos os que foram encontrados jogados num qualquer sítio público. Cada hospital tem a sua estatística.
continue a ler: clicando aqui

20/12/2009

Há dúvidas?

para bom entendedor meia palavra basta...

A Casa da Luz, um livro de João Orlindo Marques

Lançamento da obra dia
22 de Dezembro pelas 16horas no CISE
A Freguesia de Vide, conta já com um património literário de grande valor, que ao longo da sua história foi enriquecido pelos seus conterrâneos, e para fortalecer ainda mais a já famosa literatura vidense, eis que surge mais uma obra literária dotada de um grande valor histórico, escrita pelo Dr. João Orlindo (Licenciado em História), uma obra baseada no património industrial da Senhora do Desterro e que serviu de tese para tirar o seu mestrado, concluído nos principio deste ano. O lançamento da referida obra terá lugar no próximo dia 22 de Dezembro, pelas 16 horas, no Centro de Interpretação da Serra da Estrela, em Seia.
in: http://www.portalbeiras.com/
Dr. João Orlindo é também o Presidente da Casa do Povo de Vide onde trabalhei durante 5 anos e onde as recordações são muitas e boas.

O meu Natal...

...vai ser feliz por fazer os outros felizes. Hoje então, estou particularmente feliz pelo Sábado que passei... Como isto é o meu diário não podia deixar de aqui registar a minha felicidade.

O Natal do "Ti" Rui

Hoje (Sábado), o "Ti" Rui recebeu uma das notícias mais importantes da sua vida. Vai mudar-se para uma casa digna desse nome antes do Natal. O "Ti" Rui vive numa barraca sem casa de banho, sem as minimas condições de habitabilidade. Hoje, os olhos do "Ti" Rui eram o espelho do seu coração. Obrigado à sensibilidade e humanismo da Direcção da AVASVCSerra que disponibilizou a viatura para irmos comprar uma cama nova para a casa "nova" do Ti Rui e pelo esforço em proporcionar melhores condições de vida a mais um ser humano realmente carenciado.

O Natal com a "Ti" Maria Moleira

Hoje (Sábado) foi dia de ir visitar o "Vale dos Moínhos" em Figueiró da Serra, onde fui entregar umas lembranças de Natal à "Ti" Maria Moleira. Mantas e cachecóis para se abrigar do frio, um bolo-rei, um outro doce de Natal e uma caneca gravada com o seu nome. A emoção pelo reencontro e pela partilha foi recíproca. Quando lá chegámos a "Ti" Maria estava a cortar lenha para se aquecer, até porque, a temperatura lá no vale marcava 4 graus negativos.
PS - As fotos não as posso colocar agora. Deixei o cabo USB da máquina em Lisboa:(

17/12/2009

Entrevista ao Jornal Santa Marinha, edição de 17 de Dezembro de 2009

SEIA/ENTREVISTA A LUIS SILVA
Homenageado com uma Menção Honrosa no Cine´Eco 2009
Luís Silva é Assistente Social, desenvolve a sua profissão em Instituições de Solidariedade Social no Concelho de Seia e Gouveia. Licenciou-se em Serviço Social pelo Instituto Superior Miguel Torga em Coimbra e detém uma Pós-Graduação em Administração Social pela Universidade Lusíada de Lisboa. Paralelamente à sua profissão exerce colaboração com alguns órgãos de comunicação social nomeadamente imprensa escrita, radiofónica (Rádio Boa Nova, Oliveira do Hospital) e televisiva (Dão TV – Viseu). Fundou e foi Director do Jornal “Torre do Selo”. Dedica nas suas horas vagas tempo para a fotografia e para a sétima arte. No cinema documental apresenta em 2009 “Os Últimos Moínhos” o quarto documentário do Realizador. Assume-se como documentarista social procurando com os seus documentários acima de tudo valorizar e reconhecer o trabalho das pessoas que de uma forma ou de outra nunca foram reconhecidas. A escolha dos moinhos e dos moleiros pretende ser isso mesmo. Esta foi uma forma de economia com grande força no País e que aproveitava os recursos hídricos e eólicos numa simbiose perfeita entre a utilização dos recursos ambientais e a economia. Hoje esta arte está em vias de extinção. O Sociólogo António Barreto, autor do documentário “Portugal um retrato social” é a sua grande referência no cinema documental uma vez que procura através dos seus documentários passar uma mensagem de alerta e acima de tudo uma mensagem social, nunca esquecendo de apontar soluções aos problemas retratados, contrariamente à maioria dos documentários que se limitam a apontar as falhas mas esquecem-se de apontar soluções. Para o realizador esta é a grande diferença dos seus filmes em relação a outros. A escolha deste tema surge da recolha de estórias e histórias junto de pessoas que em tempos se dedicavam a esta arte e que hoje, com tristeza e alguma mágoa vêem os moinhos abandonados, cobertos de silvas e em ruínas e, pior que isso, não vêem as Entidades responsáveis mostrar algum interesse para os recuperar. A realização e as filmagens deste documentário iniciaram-se em Outubro de 2008 e prolongaram-se até Maio de 2009, num total de 8 meses de recolha de depoimentos e gravações. No total foram recolhidas 18 horas de filmagens, percorridos 1200 Km, filmadas12 localidades, retratados 6 Concelhos e entrevistadas 8 personagens.
JSM: Hoje (dia 17 de Dezembro), o seu filme/documentário “Os Últimos Moinhos” vai estar em exibição no cinema da Casa Municipal da Cultura de Seia. Quais são as expectativas para esta noite?
Sendo a projecção do filme a meio da semana as expectativas ao nível da afluência do público são diferentes do que se fosse ao fim de semana em que as pessoas têm mais disponibilidade de tempo para virem ao cinema. Infelizmente, na nossa região, as pessoas não dedicam muito do seu tempo à cultura, daí que, se estiverem presentes cerca de 50 pessoas logo à noite no cinema em Seia para verem o filme já fico satisfeito, é que normalmente nas sessões das 5.ªs feiras se formos ao cinema podemos reparar que estão lá 10 a 20 pessoas e isso para um realizador que se entrega de corpo e alma de forma totalmente gratuita á divulgação da sua região através deste meio, não é motivador, no entanto, pode acontecer o que aconteceu no CISE quando o filme passou a concurso. Tendo sido a uma 6.ª feira de manhã estavam lá perto de 120 espectadores o que não deixou de ser surpreendente até para a própria organização. Do ponto de vista da projecção do filme espero que seja de qualidade superior à que foi no auditório do CISE.
JSM: Como tem “visto” a passagem do seu filme junto dos seus actores/intervenientes?
Os intervenientes é que dão alma a este documentário. Curiosamente não conhecia nenhum pessoalmente. Por exemplo, a D. Maria de Jesus, moleira, residente em Figueiró da Serra não acredita em nada do que vê nas televisões. Acha que é tudo inventado. Ao ver-se neste documentário mudou completamente a sua ideia. Esta Sr.ª vive sem luz, sem água canalizada e ainda faz as suas refeições em panelas de ferro à lareira. Em pleno século XXI vive de uma forma que para muitos de nós era impraticável viver. Ao médico foi uma vez, apesar da idade avançada. Sempre viveu no campo e é ali que quer acabar os seus dias. Avelino Boto, moleiro, residente em Sandomil, apesar de ter já sido operado ao coração por três vezes não abandona a sua profissão. Crítico da forma como a sociedade está hoje em dia organizada, mostra-se também, bastante sensível às questões ambientais fazendo referência à poluição que aniquila o Rio Alva, poluição para a qual também não vê interesse em que seja resolvida. Foi com as lágrimas nos olhos que na ante-estreia em Maio deste ano ele e a sua família viram o filme. Foi para ele, talvez o melhor reconhecimento que alguém podia ter feito à sua pessoa e à sua profissão de uma vida que ainda mantém em funcionamento no seu moinho em Sandomil, S. Gião e S. Romão. Artur Gueifão, criado nos moinhos dos seus avós em Domingos da Vinha no Alentejo, mostrou-nos e falou-nos com grande orgulho das suas réplicas de monumentos que vai fazendo para passar o tempo, agora que se encontra reformado. Este autodidacta, produziu um moinho de água que ofereceu ao Museu Rural de Figueiró da Serra, moinho este que demorou 3 meses a construir e que pesa 85 kg. Também ele ficou bastante agradado por alguém um dia se ter lembrado de colocar na tela através do cinema esta arte dos seus antepassados que ele tanto preza. Firmino Toipa, natural de Vildemoinhos-Viseu, por amor à sua tia “Micas Moleira” recuperou sem qualquer ajuda de qualquer entidade um moinho e converteu-o num Eco-Museu que hoje recebe ao longo do ano centenas de estudantes do 1.º ciclo, 2.º e 3.º ciclo e até etudantes Universitários que ali se deslocam para visitarem e realizarem trabalhos. Recebe também a visita de Lares e Centros de Dia. A aceitação desde a primeira hora para integrar este documentário foi um claro sinal do reconhecimento do seu esforço em recuperar o moinho que hoje está ao serviço da sociedade. Em Tourais, Maria Armanda também entrou pela primeira vez num filme. Maria Armanda mostra-nos todo o processo de fazer o pão em forno de lenha e fala-nos sobre as qualidades e características do sabor desta especialidade. A arte aprendeu-a com os seus antepassados e deu-lhe o devido seguimento até aos dias de hoje. No geral todos os intervenientes gostaram de se ver na tela do cinema e são eles a grande alma deste filme onde relatam as suas vivências tal e qual como foram. Aqui neste documentário não existe ficção, tudo é real.
JSM: Após a realização deste documentário, como considera a questão histórica/ambiental (degradação dos moinhos) com a temática da extinção desta profissão (moleiro)?
Numa sociedade que tanto apregoa a defesa do ambiente e dos recursos ambientais parece-me que afinal nada se faz em sua defesa. O esquecimento a que foram votados os moinhos é preocupante. O que vi na sua maioria foram moinhos abandonados e os poucos que ainda se encontram em funcionamento vão ficar também eles esquecidos. Outro problema que registei foi a poluição que corre nas nossas ribeiras e rios, nomeadamente o escoamento dos esgotos a céu aberto directamente para os rios. É triste por exemplo em Sandomil onde podemos observar lontras e outras espécies de animais e espécies piscícolas no rio, vermos os esgotos a escoarem mesmo ao seu lado. Para os moleiros “a água é o nosso sangue” e ficam feridos de morte ao verem “o nosso sangue” contaminado sem que se consigam arranjar soluções para o tratar. As levadas na sua maioria estão destruídas pelo tempo, obstruindo a normal circulação das águas que se perdem pelos campos sem qualquer aproveitamento prático para a agricultura. Relativamente à extinção desta profissão não tenho dúvidas nenhumas que vai mesmo acabar. Há moleiros que mantêm em funcionamento 5/6 mós. Quando estes moleiros partirem deste mundo, essas mós pararão também elas para sempre.
JSM: Quais os patrocínios/apoios que teve até agora?
Patrocínios nenhuns. Apoios alguns.
Tive o apoio da Quinta do Adamastor em Figueiró da Serra. A Ante-Estreia no dia 30 de Maio foi feita naquele espaço de turismo de habitação. Disponibilizaram-me a sala de congressos, assim como, ofereceram um beberete aos convidados no final. Tive o apoio do Centro Social e Paroquial de Figueiró da Serra na pessoa do Sr. Pe. Boto e do Sr. Aristides Ferreira que acabou por me acompanhar em todo este projecto. Tive o apoio da Junta de Freguesia de Figueiró da Serra e da Câmara Municipal de Gouveia ao nível da cedência de espaços para a exposição de fotografias sobre o filme e cedência da Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira onde o filme foi projectado no passado mês de Novembro. José Ferreira, um emigrante nos EUA, também ele de Figueiró da Serra foi outra das pessoas que apoiou este filme na sua divulgação junto da comunidade emigrante. Os Estúdios Fotográficos Foto Correia em Oliveira do Hospital foram o meu principal patrocinador ao nível do equipamento de filmagem sem o qual era impossível fazer este documentário. A DãoTv mais que uma patrocinadora foi uma aliada uma vez que os seus profissionais ajudaram na edição e montagem do filme assim como na voz off.
JSM: Formulou algum pedido (patrocínio/ apoio) a entidades públicas ou privadas?
Sim.
Na Ante-Estreia do doc no dia 30 de Maio, estiveram presentes responsáveis ao mais alto nível de todas as Autarquias retratadas neste filme. Gouveia, Seia, Oliveira do Hospital, Coimbra, Viseu e Belver. No final da apresentação os elogios foram muitos. Na semana seguinte enviei um ofício através de e´mail para todas as Autarquias a solicitar patrocínio e, até à data não recebi qualquer resposta.
JSM: Qual o custo final deste filme? Para quem gosta desta arte (documentário) e que gostaria de realizar/fazer um filme, considera acessível a concretização do mesmo (sem apoios)?
O custo final deste filme foi enorme. Despesas de deslocação (1200 km percorridos), alimentação, estadia, aluguer de material, pagamento à empresa que fez a edição e montagem, pagamento ao narrador e despesas de compra de cassetes e material diverso para as filmagens, além do registo no Instituto da Propriedade Industrial (INPI) e na Inspecção Geral das Actividades Culturais (IGAC), posso dizer com comprovativos de recibos que gastei perto de 3.500 euros. Para quem gosta desta arte posso dizer que, infelizmente não basta gostar. Pelo que me apercebi até ao momento, não podemos contar com o apoio de entidades. Ou se tem para investir ou não se tem. Infelizmente a aposta na cultura e, acima de tudo a aposta nos produtores locais é nenhuma.
JSM: Qual a sensação de ter sido o único filme senense a ser reconhecido, neste Cine’Eco 2009?
É o reconhecimento do meu trabalho por parte, neste caso do Júri da Lusofonia. Quando um Festival de Cinema sobejamente reconhecido nacional e internacionalmente como é o CineEco que recebe todos os anos aproximadamente 500 filmes de toda a parte do mundo e selecciona cerca de 70 para a fase final onde está incluído “Os Últimos Moínhos” e desses 70 acaba por ganhar uma Menção Honrosa, é caso para ficar contente. Além destes dados se pensarmos que estamos a competir com profissionais da área da televisão e do documentarismo, se pensarmos que estamos a concorrer com produções altamente profissionais do ponto de vista técnico e de recursos humanos especializados, se pensarmos que estamos a concorrer no mesmo pé de igualdade com filmes que já ganharam prémios em festivais nacionais e internacionais, os quais utilizam meios de filmagem e edição altamente sofisticados, é caso para que a nossa sensação seja também ela altamente positiva. Para ter uma ideia do que estou a falar, o realizador que arrecadou os 3 principais prémios do CineEco 2009 é cameramen da SIC e na minha opinião é o profissional mais completo tecnicamente de todas a televisões Nacionais. Outras Menções Honrosas que foram atribuídas este ano, são produções por exemplo da RTP. Ora, o meu filme ter sido seleccionado e ter arrecadado uma Menção Honrosa dá-me a sensação que afinal ainda existem David´s que sem os mesmos meios chegam onde chegam os Golias.
JSM: Tem participado noutros Festivais de Cinema? Quais? Qual tem sido o resultado desta participação?
O documentário antes de ter sido seleccionado para o CineEco foi seleccionado para o IF-IF, Festival de Cinema Internacional de Idanha-a-Nova. Estive presente em Idanha no dia em que o filme passou no Festival e no final a critica gostou do que viu. Passou também no Festival de Cinema em Arouca e à margem do circuito dos Festivais já passou na Biblioteca Vergilio Ferreira em Gouveia, vai passar hoje no cinema em Seia e já tenho outros locais onde vai passar como por exemplo no Cinema em Oliveira do Hospital, no cinema na Covilhã, na Casa do Concelho de Gouveia em Lisboa, vai passar numa sala de cinema em Coimbra e no Teatro-Cine em Viseu.
Estes são os que já estão confirmados havendo outros locais onde irá passar.
O melhor resultado destas participações é chegar aos cinemas e ver bastante público presente e interessado em colocar questões sobre a produção/realização.
JSM: Para quando e onde estará à venda ao público este filme?
Neste momento o DVD está praticamente registado faltando apenas uns pequenos pormenores que estão a ser tratados junto do IGAC. É minha intenção ter o filme à venda até final deste ano em vários pontos do País, nomeadamente postos de turismo, algum comércio e entidades hoteleiras. Não descuro a possibilidade de o ter à venda numa grande superfície sobejamente conhecida de todos e que anunciarei brevemente na apresentação pública do DVD onde espero contar com a participação de algumas figuras públicas nacionais da sétima arte e do social.
JSM: Qual é o ponto onde gostaria de ver chegar o seu documentário, que ainda não chegou (passar na TV, por exemplo)?
Como sabe, a imprensa local, regional e nacional tem dado um forte contributo á divulgação do filme. Agradeço a toda a imprensa escrita da região da Guarda, Viseu e Coimbra, uma vez que não houve um único jornal que não tivesse publicado notícias sobre o filme. Um agradecimento especial também às rádios da região assim como aos blogues e sites que desde a primeira hora têm apoiado este projecto. Recentemente estive em Lisboa onde fui convidado a dar uma entrevista para a Rádio renascença. Em Julho foi para a Antena 1 e nesse mesmo mês a revista de Domingo do Correio da Manhã fez uma reportagem bastante interessante. No seguimento da Menção Honrosa ganha no CineEco, parte do filme passou na RTPn no Fotograma que é um programa específico sobre produções nacionais. Por último posso dizer-lhe que gostaria que o filme passasse numa televisão nacional, não só porque dava outra projecção à nossa região da Serra da Estrela, mas acima de tudo aos nossos moleiros que, com dificuldades ainda vão mantendo esta arte.
JSM: Quais os objectivos futuros? Para quando o próximo documentário?
Nesta área um dos objectivos que tenho para o futuro é alertar as entidades para que apoiem as pessoas do Concelho de Seia que investem neste género de difusão cultural. O CineEco é um dos projectos que Seia e os Senenses se devem orgulhar uma vez que concentra em si mesmo a atracção do Mundo e leva ao Mundo o que de melhor por cá passa ao nível de cinema ambiental. Assim sendo, o que custa incentivar e apoiar os produtores locais? Obviamente que terá de haver regras para a atribuição desses apoios, mas, provavelmente seria uma boa aposta até do ponto de vista da atracção turística. Outro dos objectivos é contribuir com os meus documentários para ajudar na resolução dos problemas ambientais que possam existir na nossa região. Relativamente ao próximo documentário o que posso dizer é que já estou a trabalhar no tema e espero apresentá-lo em 2011.
Agradeço ao JSM a entrevista e desejo a todos os seus leitores um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo

16/12/2009

As minhas compras de Natal serão todas feitas no comércio local

Li recentemente num blogue local que nesta altura Natalícia e não só, quem quer ver pessoas de Seia e da região às compras, basta ir ao Palácio do Gelo a Viseu ou ao Dolce Vita a Coimbra. De facto é isto que acontece. Quem sofre com as grandes superfícies é o já tão esquecido e abandonado comércio local, também conhecido como comércio tradicional. Além de se comprarem certos artigos muito mais caros nas grandes superficies que no comércio tradicional, há ainda a vantagem de sermos atendidos com respeito e simpatia. Sou apologista que devemos comprar nos Concelhos que nos pagam e que nos dão trabalho, até porque, se queremos uma economia mais forte para a nossa região, então temos de investir nela. O IVA é igual em Viseu ou em Coimbra como é aqui em Seia ou Gouveia. Se fizerem uma análise de mercado vão reparar que os preços são idênticos no comércio local e nas grandes superficies e se fizerem bem as contas ao que gastam em combustiveis e ao desgaste do carro, no final vão ver que acabam por gastar mais. Meus amigos, NESTE NATAL NÃO ESQUEÇAM O COMÉRCIO TRADICIONAL. A região precisa de vitalidade económica e social.

13/12/2009

Turismo em risco

Alterações climáticas podem retirar Portugal dos destinos mais procurados.
O aquecimento global trará consequências nefastas para Portugal dado o tipo de turismo nacional e o seu peso na economia. Um estudo recomenda o desvio dos fluxos turísticos para épocas baixas e para o Norte do país. Em 2030, com o aumento da temperatura média global, mais secas e ondas de calor, menor disponibilidade de água e o preço dos combustíveis sempre a subir, Portugal poderá deixar de ser um dos destinos turísticos mais apetecíveis do continente europeu. O alerta é dado num estudo do Deutsche Bank Research que se debruça sobre as consequências das alterações climáticas no turismo e que antecipa grandes mudanças nos principais destinos turísticos. Segundo os investigadores, as actuais férias de calor e praia do Sul de Portugal terão os dias contados, já que a actualmente agradável época alta ficará intolerável devido às temperaturas demasiadamente elevadas que passarão a caracterizar o Verão. A isto há que acrescentar a falta de água que terá um especial impacto, não só no dia-a-dia, como nas piscinas e nos campos de golfe, outros dos principais atractivos da região. O estudo alerta, ainda, para um possível regresso de doenças, como a malária, à zona. Outro aspecto a não descurar, especialmente tendo em conta que 60% dos turistas em Portugal vêm do estrangeiro, será o aumento do preço das viagens que também poderá contribuir para afastar turistas do solo nacional. Se a região do Algarve será obviamente afectada, a economia nacional também se deverá ressentir da diminuição de turistas, já que aquele sector representa 14% do Produto Interno Bruto. Para minorar os efeitos do aquecimento global, os autores do estudo sugerem que Portugal deverá, primeiro, tentar dirigir os fluxos turísticos para as épocas médias e baixas, avisando, todavia, que tal será dificil já que o tipo de férias que se realizam em Portugal, normalmente, assenta em datas rígidas. Depois, as autoridades deverão apostar e potenciar destinos no Norte do país, no qual o turismo se encontra "relativamente subdesenvolvido", concluem os investigadores.
in - Jn, ed. 13.12.09

11/12/2009

Parabéns "Manecas"

Manoel de Oliveira nasceu há 101 anos, no Porto. A Casa de Serralves vai assinalar a data com um programa que inclui sessões de cinema e a inauguração de uma exposição. Cerca de 400 alunos de escolas da Cidade Invicta irão assistir ao filme «Aniki Bobó».Também em Vila do Conde estará patente até Março uma exposição que revela a relação de trabalho e amizade entre Manoel de Oliveira e o escritor José Régio.A exposição vai estar no Centro de Memória de Vila do Conde, Casa Museu José Régio, e inclui um total de duas horas de excertos de filmes de Oliveira a partir de textos do escritor, como Benilde ou A Virgem-Mãe (1974) e O Quinto Império - Ontem Como Hoje (2004). Obras que, na opinião de António Preto, estudioso dos filmes de Manoel de Oliveira, «partem de textos de José Régio e que são uma forma de perceber a relação entre o realizador e o escritor».Aos 101 anos, Manoel de Oliveira está a trabalhar num novo filme, um projecto antigo intitulado «O Estranho Caso de Angélica», a rodar no início de 2010.

Entrevista à RADIO SIM disponivel no Portal das Beiras

A entrevista concedida à RADIO SIM do grupo Radio Renascença já pode ser ouvida através deste link:

10/12/2009

Participa na Cimeira de Copenhaga enviando mensagens em prol do ambiente

"Who on earth cares?"Em jeito de desafio, este é o nome da campanha desenvolvida pela Fundação Australiana para a Conservação com o objectivo de incentivar todos os cidadãos, a lutarem pelo planeta e partilharem as suas preocupações sobre as alterações climáticas. Na página http://www.whoonearthcares.com/, todos podem demonstrar aos líderes mundiais o quanto se preocupam utilizando um máximo de seis palavras. Todas as frases deixadas são exibidas na página durante o decorrer da Conferência de Copenhaga.
http://www.whoonearthcares.com/

09/12/2009

Cimeira de Copenhaga

NEED TO STOP GLOBAL WARMING
Do Peru: El Tiempo es Hoy
Artistas peruanos pedem justiça climática numa adaptação do tema "Beds are Burning" usado pela campanha TckTckTck. Mais uma vez se comprova que é através da imagem e dos documentários que a mensagem melhor passa. Este video é mais um exemplo disso.


08/12/2009

Copenhaga: Temperatura em Portugal já aumentou 1,2 graus desde 1930

Portugal aqueceu 1,2 graus nas últimas décadas e vive fenómenos extremos como chuvadas intensas, ondas de calor e vagas de frio prolongadas. O Instituto de Meteorologia monitoriza este tempo e procura antecipar-se ao futuro catastrófico que estará para chegar. "Os fenómenos extremos podem vir a ter frequência maior do que no passado. Estamos a bater recordes sucessivos de verões mais quentes, ondas de calor mais prolongadas. Nos últimos 30 anos houve uma curva ascendente nas temperaturas médias", alerta Adérito Serrão, presidente do Instituto de Meteorologia (IM). A temperatura média em Portugal subiu 1,2 graus desde 1930. Antes disso demorara um século para aumentar 0,8 graus. Esta diferença "significativa" explica-se em grande parte pela revolução industrial, que trouxe alterações nas emissões de dióxido de carbono, acrescenta o especialista.

site oficial da cimeira

PLEASE SAVE THE WORLD

07/12/2009

Filme sobre alterações climáticas abriu Cimeira de Copenhaga

PLEASE HELP THE WORLD
192 países marcam presença a partir de hoje em Copenhaga. O início da Cimeira foi marcado pela visualização de um vídeo sobre as consequências do aquecimento global. Na abertura do encontro o primeiro-ministro dinamarquês foi claro: Lars Loekke Rasmussen disse que nesta cimeira estão depositadas as esperanças da Humanidade.

06/12/2009

Perguntas e Respostas sobre a Cimeira de Copenhaga

Entre 7 e 18 de Dezembro, os ministros do Ambiente vão reunir-se em Copenhaga para a conferência do clima das Nações Unidos. O objectivo é "encontrar" um substituto para o Protocolo de Quioto.

O que é a Cimeira de Copenhaga?
Entre 7 e 18 de Dezembro, os ministros do Ambiente vão reunir-se em Copenhaga para a conferência do clima das Nações Unidos. O objectivo é “encontrar” um substituto para o Protocolo de Quioto. A cimeira vai ter lugar no maior centro de conferência da Dinamarca, o Bella Center e vai durar duas semanas. Esta é a última de uma série de reuniões, que tiveram a sua origem na Cimeira do Rio em 1992.

Principais protagonistas da Cimeira?
Os países em desenvolvimento, como a China e a Índia, defendem que países ricos como os Estados Unidos e o Reino Unido devem dar um "claro exemplo" na redução de emissões de gases como efeito de estufa. Os Estados Unidos não ratificaram o Protocolo de Quioto. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, argumentou que a redução exigida por Quioto (menos 5% de emissões) iria "arruinar a economia dos Estados Unidos", além de não exigir reduções aos países emergentes. As possibilidades de alcançar um acordo aumentaram com a chegada de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos. No entanto, o presidente enfrenta um problema interno, já que o Congresso ainda não aprovou legislação para reduzir as emissões de CO2. Caso isso não aconteça até Dezembro, pode colocar em causa um acordo em Copenhaga.

Quais os objectivos da Cimeira de Copenhaga?
A cimeira vai tentar alcançar um novo acordo que substitua o Protocolo de Quioto, que termina em 2012. Segundo Yvo de Boer, secretário executivo da United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC), as questões mais importantes para alcançar um acordo são:
Qual o montante de emissões que os países industrializados estão dispostos a cortar?
O que estão dispostos a fazer os principais países em desenvolvimento, como a China e a Índia, para limitar o aumento das suas emissões?
Que ajuda precisam os países em desenvolvimento para reduzir as emissões e adaptarem-se aos impactos das alterações climáticas?
Como é que o dinheiro vai ser gerido?

Quais são os "pontos quentes" da Cimeira?
O "ponto mais quente" da cimeira é a chamada "partilha de encargos". Ou seja, que países devem reduzir emissões e em que montante? Por exemplo, a China já superou os Estados Unidos como maior poluidor do mundo. No entanto, historicamente, os Estados Unidos são maiores emissores do que a China e as emissões per capita chinesas são cerca de um quarto das dos Estados Unidos. O Governo chinês argumenta que tem o direito moral ao desenvolvimento e ao crescimento da economia – e que, inevitavelmente, as emissões vão aumentar. Há ainda outra questão: os países desenvolvidos transferem as emissões de gases com efeito de estufa para as nações em desenvolvimento, ao instalarem nestes países indústrias que provocam emissões de CO2. Assim, a China defende que devem ser os consumidores a assumir a responsabilidade das emissões geradas para produzir certos bens e não os países onde são produzidos.

Banda de Torroselo organiza almoço anual

Participei hoje num almoço que se realiza anualmente na sede da Banda Estrela D´Alva, Banda Centenária pertencente à Freguesia de Torroselo. A vitalidade dos órgãos sociais desta Instituição é bem patente e isso deixa-nos a todos que gostamos da nossa Filarmónica, bastante contentes. Costuma dizer-se que depois da tempestade vem a bonança e isso é bem verdade. Um grupo de gente nova conseguiu "levantar" a Banda e levá-la para a frente ao contrário do que alguns pensavam. PARABÉNS à Banda Torroselense Estrela D´Alva, aos seus Dirigentes, maestro, executantes, sócios e amigos. Foi um dia muito bem passado.
Leia mais sobre este documentário em:
Historial da Banda Torroselense Estrela D´Alva
A Banda Torroselense Estrela D' Alva foi fundada oficialmente em 8 de Fevereiro de 1908 pelos irmãos João e Eduardo Batista, naturais de Torroselo, embora a sua criação se reporte a muitos anos atrás tendo assim mais de cem anos de existência, a filarmónica foi noutros tempos uma secção musical do Grémio Torroselense Estrela D' Alva tento o nome de Grupo Estrela D' Alva. João Batista vulgarmente conhecido por João do Freixo, foi o seu primeiro regente e aquele a que ficou a dever-se a Filarmónica. Revelou, desde a primeira hora, notável vocação para a musica dando público testemunho das suas qualidades e conhecimentos alguns dos mais prestigiantes músicos de Carragosela que acompanharam o seu trajecto quando ainda jovem deu ali os primeiros passos e ali bebeu alguma sabedoria que viria a corporizar. Repartia a sua actividade entre relojoeiro e mestre da Música. Na sua profissão diz quem o conheceu e com ele privou que foi um artífice excelente. Na Música conseguiu superar todas as expectativas tento vindo a cotar-se como um dos melhores regentes que por Torroselo passaram. A ele se ficou a dever a primeira escola de Música da Banda que fornecia à Filarmónica, com muita regularidade, elementos de reconhecida valia técnico-musical. A Banda Torroselense Estrela D' Alva conheceu muitos e bons regentes sendo justo destacar os nomes daqueles que mais se distinguiram pelo seu trabalho, pelo seu empenhamento e pela sua capacidade: Mestre Alfredo, José Caetano, Norberto Pires, Luís da Silva, todos de Torroselo e ainda, Raposo Gomes, Quaresma, Carlos Mousinho, Guedes, Victor Costa, Marco Paulo, Lélio Réis, Paulo Paredes e pelo 1º Sargento do Exército, João Alberto Jesus Sousa . Actualmente é novamente dirigida pelo Maestro Marco Paulo cuja formação académica e experiência são o garante de um trabalho profícuo, dirige também a escola de música. A Banda Torroselense Estrela D' Alva possui, hoje, um excelente instrumental, completamente renovado, no valor de alguns milhares de euros, só possível pelo esforço conjugado dos seus associados, da Câmara Municipal, do Ministério da Cultura, da Secretaria de Estado da Cultura, da Gulbenkian, da Junta de Freguesia, do Instituto Português da Juventude, do INATEL. Ao longo da sua já longa existência, a Banda Torroselense Estrela D' Alva foi dirigida por gente ilustre e dedicada que à sua terra deixou o nome. Permita-se-nos lembrar apenas os nomes de Eliziário Mendes Campos, José Leal Alves Lourenço, Joaquim Norberto Duarte Pires, Herculano Mendes De Unhão, António Mendes Povoas, António Mendes Campos, António Coragem, Joaquim Pimentel, Luís Martins, José de Sousa Frias e António Paes Mendes, sendo actualmente dirigida, por uma comissão instaladora que conjuntamente com um grupo de Torroselenses de méritos afirmados emprestaram à Colectividade uma dinâmica e crescimento verdadeiramente notáveis. A Banda Torroselense Estrela D' Alva, tem actualmente 40 executantes, todos oriundos da escola de música que aqui frequentaram, tendo esta escola actualmente uma média de 25 aprendizes, com idades compreendidas entre os 8 e 20 anos de idade.
Historial retirado de: http://bandatorroselo.serradaestrela.com/

Álvaro Amaro ganhou a Ana Manso

Álvaro Amaro reeleito com mais 226 votos que Ana Manso
Álvaro Amaro foi reeleito, ontem à noite, presidente da distrital da Guarda do PSD com mais 226 votos que Ana Manso. O líder social-democrata, que se recandidatava a um segundo mandato, venceu as eleições nas concelhias de Almeida, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Gouveia, Mêda, Trancoso e Vila Nova de Foz Côa. Inversamente, perdeu em Aguiar da Beira - onde apenas obteve um voto contra 85 de Ana Manso -, Celorico da Beira, Guarda, Manteigas, Pinhel, Sabugal e Seia. Na capital do distrito, sede da maior concelhia do PSD, Ana Manso venceu com 169 votos, mais 44 que o autarca de Gouveia. De resto, a vitória estava assegurada ainda antes dos resultados da Guarda serem conhecidos, pois Amaro levava já mais de 200 votos de vantagem sobre a sua opositora.
in: http://www.ointerior.pt/breakingnews/news.asp?Id=1101

05/12/2009

O que dizem sobre o filme "Os Últimos Moínhos"

Ana Teixeira: Foi com muito gosto e alegria que vi o filme dos últimos Moínhos ao velo relembrei o meu avô materno que para mim era tudo mas agradeço ao Srº Luis Silva porque fez um óptimo trabalho, parabéns. - - - Ana Teixeira: Também quero agradecer aos seus participantes que fizeram um trabalho muito bonito porque é sempre bom relembrar a nossa terra.- - - Jose Ferreira: Este documentário fará para sempre parte da história figueiroense, retratando uma profissão em vias de extinção, mas nobre e que muito contribuiu para o desenvolvimento da nossa aldeia.- - - Jose Ferreira: Em nome de todos os "Figueiroenses" que se encontram ausentes da sua terra tão querida, agradeço ao Sr. Luis Silva por ter colocado o nome de Figueiró da Serra no topo do mundo.- - - C. Machado: Estou desejante de ver o doc. É preciso preservar o nosso património molinológico.--- Luís Almeida: Gostei muito da iniciativa, da chegada da réplica do moinho a Figueiró. Os meus parabéns a si e à sua equipa pelo trabalho realizado, e que seja o primeiro de muitos êxitos da sua carreira.--- Pe. Carlos: É com muita alegria que vi o video da chegada ao Museu Rural de mais uma peça. Os museus não são coisas estáticas, mas dinâmicas e ao serem constantemente enriquecidas elas concretizam os objectivos.---Envie também a sua mensagem para docmoinhos@gmail.com

04/12/2009

MÚSICA JOVEM. 13.º FESTIVAL IBÉRICO

Este Sábado, pelas 21h30 na Casa Municipal da Cultura de Seia
Organização da Casa de Juventude D. Ana Nogueira São Romão

O blogue feito pelos seus leitores

Ciclo Cinema & Ambiente 4ª Sessão, 15 de Dezembro 21h30Cinemateca Portuguesa
4ª Sessão a 15 de Dezembro, às 21h30

A quarta sessão do ciclo de Cinema & Ambiente, comentada por Luisa Schmidt, realiza-se a 15 de Dezembro com o filme “The Trigger Effect” de David Koepp, 1996. O corte de energia numa cidade durante um período prolongado transforma uma pacata cidade num cenário quase de guerra... . As sessões do ciclo Cinema & Ambiente são todas de entrada livre e realizam-se mensalmente na Cinemateca.

03/12/2009

Brevemente o trailler

Informo todos os interessados que está em fase de conclusão o trailler do filme "Os Últimos Moínhos". Várias têm sido as pessoas e entidades que me têm colocado a questão sobre o trailler uma vez que servirá para que tenham uma primeira abordagem a este documentário. A todos informo que assim que estiver feito colocarei aqui e no blog do documentário para acesso de todos no País e no Mundo.

01/12/2009

Crise e governabilidade

1. A situação portuguesa está a deteriorar-se, perigosamente, acho eu, tanto no plano económico-social como político-institucional e moral. E o pior é que assim vai ser muito difícil vencer a crise global de que - atenção! - estamos longe de ter saído. Tanto a União Europeia como nós. Mas não basta fazer o diagnóstico da situação. É necessário um plano estratégico concertado de ataque à crise e, sobretudo, agir em conformidade com ele. Todos os meus leitores sabem que, por natureza, não sou pessimista. Antes pelo contrário. Mas procuro ser realista. Sinto junto das pessoas com que contacto, de todas as condições sociais, do litoral e do interior, que há uma grande incerteza - e mesmo preocupação - quanto ao nosso futuro colectivo. Não estamos ainda perante uma crise de regime, como alguns profetizam, mas para lá caminhamos, se a sociedade civil e, especialmente, os partidos - do Governo e da oposição - não forem capazes de criar um mínimo de concertação para podermos mudar as coisas. Obviamente, com o concurso activo dos parceiros sociais - sindicatos e associações patronais - numa perspectiva dos interesses próprios, mas também, para bem deles, do interesse nacional.
Continue a ler o artigo de Mário Soares em:
http://dn.sapo.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1435299&seccao=M%E1rio%20Soares&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco

17 Dezembro, 21h30, Cinema de Seia

Menção Honrosa - Júri da Lusofonia - CINE ´ECO 2009

29/11/2009

Finalmente, Aristides de Sousa Mendes. Um filme de Francisco Manso

No dia 2 de Abril de 2007, peguei no meu telemovel e filmei as imagens que podemos ver neste pequeno video sobre Aristides de Sousa Mendes. É dos videos que tenho no youtube que mais comentários tem recebido e que mais visualizações tem tido. Agora, Francisco Manso pegou na História deste Bom Homem e decidiu fazer o filme que faltava e é já no próximo ano que vamos ter oportunidade de o ver.

Filme de Francisco Manso, que conta a história daquele que ficou conhecido como "Schindler português", está a terminar as rodagens em Viana do Castelo e tem estreia prevista para o próximo ano em Bruxelas.
À ordem de acção do realizador começa a ouvir-se na sala a voz do actor espanhol Manuel de Blás. Um arrepio corre pela espinha de quem se encontra à sua volta. O local é o lendário e esplendoroso Teatro Sá de Miranda, no centro histórico de Viana do Castelo. É ali que se repetem as várias takes da cena 12, onde Francisco de Almeida, o maestro que se prepara para dirigir um espectáculo, se encontra pela primeira vez com a jovem jornalista Alexandra Schmidt.
A cena faz parte de "O cônsul de Bordéus", uma co-produção da portuguesa Take 2000 com belgas e espanhóis. O filme aborda os feitos de Aristides de Sousa Mendes que, entre finais de Maio e Junho de1940, quando dirigia o consulado português naquela cidade francesa, emitiu em todo o tipo de papel que encontrava cerca de 30mil vistos para judeus que fugiam dos avanços nazis, permitindo-lhe passagem por Portugal para outros destinos mais seguros. Uma acção tremendamente humanitária, num momento de horror para a humanidade e que, feita contra as ordens expressas de Salazar, lhe valeu o fim da carreira, mas também a imortalidade. A mensagem que se transmite para fora, para melhor se compreender a importância deste homem, é de que se trata do "Schindler português". No final de mais um dia de rodagem, o realizador Francisco Manso explica-nos a génese do projecto. "Já é uma admiração antiga, pela coragem que teve de enfrentar um governo autoritário com muito pouca sensibilidade para aquele drama humano. E custou-lhe caro, porque havia da parte do governo de Salazar a famosa Circular 14, que dizia expressamente que não deviam ser passados vistos a apátridas, judeus e outras pessoas com nacionalidades indefinidas." "O cônsul de Bordéus" não é uma biografia tradicional de Aristides de Sousa Mendes, mas uma evocação do período da sua vida que o tornaria famoso. A vertente ficcional permite haver uma montagem paralela com a actualidade, onde alguém recorda como o conheceu. Francisco Manso explica-nos as linhas gerais do argumento: "Há dois miúdos de origem polaca, judeus, que vivem em Antuérpia e que mercê dos avanços do exército nazi acabam por ser enviados pelos pais para Bordéus, onde ficariam em casa de pessoas amigas à espera que eles chegassem". Sendo este o ponto de partida do filme, estas personagens de ficção vão enfim cruzar-se com Aristides e outras figuras que realmente existiram. O realizador continua a descrever-nos a história: "Os dois irmãos chegam a Bordéus, em fuga da Bélgica. A miúda desaparece e o irmão fica na sinagoga com o rabino Kruger e a mulher. Conhece o Sousa Mendes, que o convida lá para casa. É ficção mas podia ser realidade, porque ele convidou uma série de pessoas que estavam naquelas circunstâncias na sinagoga para irem para casa dele, que era enorme, mesmo ao lado do consulado. E ele próprio os conduz para a fronteira. Isso é incrível e é o lado do Aristides que nos interessa contar." Como o jovem protagonista é adoptado por uma família de Viana do Castelo que depois emigra para a Venezuela, e aí acaba por se tornar maestro, regressará já no final da vida à cidade minhota para aí dirigir a Escola de Música, no Teatro Sá de Miranda. Aí, pela mão de uma jovem jornalista que vem acompanhando o seu percurso e pensa saber qual o seu passado, uma surpresa espera-o… Com uma história assim, espera-se que o filme possa ter alguma repercussão também fora de portas. "Já está garantida uma versão dobrada em francês", adianta Francisco Manso. "A Bélgica, tal como a França, soube bem o que foi a ocupação nazi. E acredito plenamente que este filme venha a ter uma versão dobrada em inglês. O mercado americano é extremamente apelativo para um filme deste género. Aristides salvou muito mais gente do que Schindler." A estreia mundial prevê-se que possa ser feita em Bruxelas, no próximo ano, quando se comemorarem os 70 anos dos feitos de Aristides, esperando-se que as autoridades portuguesas estejam presentes ao mais alto nível.
in - jn.pt (ed. 29.11.09)

27/11/2009

Luis Antero | Gravações de campo

Deixo-vos hoje a sugestão para um site interessante e diferente. Talvez seja a diferença que faz o interesse deste site, assim como o seu autor, o meu amigo Luis Antero,natural de Alvoco de Várzeas, profissional do departamento de cultura da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital. Luis Antero sempre esteve directa e indirectamente ligado a projectos musicais e culturais de vária ordem. Porque não é todos os dias que vemos sites desta natureza temática, faço-lhe aqui a devida homenagem pública. No site, além da recolha de sons da natureza captados com gravador digital, podemos aceder a narrativas sonoras, tradições orais, discografia, photos, outros projectos, Radio "o coleccionador de sons", entre outros pontos de interesse.
«as memórias alimentadas e cultivadas em comum, mantêm uma sociedade naturalmente em contacto com o seu próprio passado.»
george steiner
Bem-Vindos
«Luís Antero Field Recordings» pretende afirmar-se como uma plataforma fonográfica das regiões da Beira Serra e Serra da Estrela, fundamentalmente, fazendo uso de registos sonoros de vária ordem, dando primazia a elementos sonoros naturais e a tradições orais (que podem abarcar canções, poesia, histórias de vida ou mera pronúncia de determinada zona...). Pretende-se, com este site, registar, preservar e divulgar a memória fonográfica colectiva das zonas mencionadas,para além de servir de porta de entrada ao universo musical do seu autor.

Aceda ao site: http://luisantero.yolasite.com/

Estância de esqui na Serra da Estrela abre Sábado

Com capacidade para receber três mil pessoas por dia, a Estância de esqui Vodafone, na Serra da Estrela, vai iniciar a nova época a partir do próximo sábado, 28 de Novembro. As novidades para este ano passam, pela abertura de um parque infantil num espaço muito singular criado numa tenda da Mongólia que contará com insufláveis e diversos jogos, e simultaneamente um Lounge que privilegiará os clientes dos Hotéis Turistrela, que terão acesso aos equipamentos e forfait evitando filas e demoras, assim como uma pequena área de descanso e lazer.
Actualmente a estância da Turistrela, é cada vez mais visitada por estrangeiros oriundos de diversos países da Europa, estando esta quota dividida por turistas alemães e de países nórdicos e espanhóis que representam já 4% dos visitantes da estância Vodafone.
Video - Luis Silva, 27.12.06

"Capitalismo: Uma História de Amor". Estreia Nacional foi no dia 26

Michael Moore É o cineasta mais polémico da actualidade, amado e odiado por muitos e incapaz de deixar alguém indiferente. «Capitalismo: Uma História de Amor» é o seu mais recente ataque ao que considera estar mal na América. Sinopse
Ao mesmo tempo com humor e coragem, Capitalism: A Love Story explora uma pergunta: "Qual o preço que a América tem de pagar pelo seu amor pelo capitalismo?" Há alguns anos esse amor parecia inocente. Hoje, no entanto, o Sonho Americano parece mais um pesadelo, quando as pessoas têm de pagar com os seus empregos, a suas casas e as suas poupanças. Moore leva-nos até às casas de gente normal, cujas vidas ficaram viradas do avesso, e vai à procura de explicações em Washington e outros locais. O que descobrimos tem os sintomas tão familiares de uma história de amor que deu para o torto: mentiras, abuso, traição…e 14,000 empregos perdidos todos os dias. Capitalism: A Love Story é não a derradeira tentativa de Michael Moore para responder à pergunta que tem andado a fazer ao longo da sua tão ilustre como controversa carreira: Quem somos nós e porque razão nos comportamos assim?

24/11/2009

António Pedro Vasconcelos estreia novo filme

«A Bela e o Paparazzo»
O novo trabalho de António-Pedro Vasconcelos estreia apenas no próximo mês de Janeiro mas já é possível ver as primeiras imagens aqui.

Pela primeira vez na sua carreira, António-Pedro Vasconcelos apostou na realização de uma comédia romântica que aborda a história de amor entre um fotógrafo de celebridades (um paparazzo) e uma vedeta que está saturada do mundo das revistas cor de rosa. O filme conta com a participação de figuras bem conhecidas do grande público, como é o caso de Soraia Chaves, Marco D'Almeida, Pedro Laginha, Ivo Canelas e Nuno Markl que aqui se estreia como actor.
A data de estreia prevista é 28 de Janeiro de 2010.

22/11/2009

Boa sorte João Malheiro

Estive ontem a jantar com o João Malheiro em Lisboa. O jantar demorou 5 horas e a conversa como podem imaginar foi longa. Falou-se do Benfica, de histórias nunca ouvidas na imprensa, falou-se do meu documentário "Os Últimos Moínhos" e de muitos outros assuntos. Hoje estou um pouco cansado do fim de semana na Capital. Amanhã colocarei aqui no meu diário algumas fotos deste fim de semana fantástico.Mais informo que Segunda-feira, o "património" do Benfica vai ficar enriquecido com mais uma obra. O jornalista João Malheiro, de 49 anos, lança o livro "O império vermelho", um "desfile das 103 épocas com participações oficiais" do clube da Luz. "É um enorme suporte estatístico, com textos sobre cada temporada e, paralelamente, seleciono o jogo mais marcante e o jogador mais influente de cada época". A apresentação da obra contará com figuras ilustres do clube, como o presidente LF Vieira, o director desportivo Rui Costa, o treinador Jorge Jesus e, ainda, a maior glória benfiquista, Eusébio.
Ao João desejo os maiores sucessos neste seu novo livro.

21/11/2009

"Os Últimos Moínhos" na Radio Renascença

Terminou agora mesmo a entrevista que dei hoje nos estúdios da Radio Renascença em Lisboa, sobre o documentário "Os Últimos Moínhos". Desde já um grande abraço ao entrevistador, o jornalista José La Feria pela hospitalidade e trato com que me recebeu. A entrevista poderá ser ouvida dia 23 pelas 24 horas através do site: www.radiosim.pt ou via radio na sintonia 981 KHZ AM no Distrito da Guarda.

20/11/2009

Como já era de esperar, pelo menos para quem anda atento, Santinho Pacheco é o novo Governador Civil da Guarda

Há 1 ano e meio atrás já o nome de Santinho era falado para ocupar este cargo...e ninguém acreditava.
Santinho Pacheco é o novo Governador Civil da Guarda
O novo Governador Civil da Guarda, que irá suceder a Maria do Carmo Borges, é António José Santinho Pacheco. Segundo o Jornal O Interior, o Conselho de Ministros deliberou, hoje, aprovar o nome de Santinho Pacheco, antigo presidente da Câmara de Gouveia, para Governador Civil da Guarda. Santinho Pacheco é membro do Secretariado Federativo do PS Guarda e Comissário Nacional do Partido Socialista.

17/11/2009

Planet Earth Lisbon Event 2009 - PEL 2009

No dia 22 os filmes que foram premiados no CineEco passam no auditório do Parque das Nações.
Evento decorre no Parque das Nações de 20 a 22 de Novembro
Município de Seia alia-se ao encerramento do Ano Internacional do Planeta Terra em Portugal
Face à dinâmica exemplar do Comité Português para o Ano Internacional do Planeta Terra, criado pela Comissão Nacional da UNESCO, Portugal foi convidado pela Corporação Internacional UNESCO-IUGS para ser o país anfitrião da cerimónia de encerramento oficial do Ano Internacional do Planeta Terra (2007-2009) – AIPT, “Planet Earth Lisbon 2009” (20 a 22 de Novembro de 2009, Teatro Camões, Pavilhão do Conhecimento e Oceanário).
O Município de Seia alia-se a este grande evento das Nações Unidas, pelo trabalho que tem desenvolvido ao longo dos tempos no que diz respeito a matéria do ambiente, de que constituem exemplo o CISE - Centro de Interpretação da Serra da Estrela, que para além de todas as actividades que desenvolve anualmente colabora regularmente no projecto nacional Ciência Viva, promovendo acções relacionadas com a geologia e a biologia na serra da Estrela, e o Festival Internacional de Cinema e Filme de Ambiente – Cine’Eco, que este ano comemorou 15 anos de existência.
20- 22 de Novembro, Parque das Nações, Lisboa
Sob os auspícios da Corporação Internacional: UN - United Nations General Assembly
UNESCO - United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization
IUGS - International Union of Geological Sciences
Com o alto patrocínio:
Presidente da República Portuguesa
Primeiro-Ministro da República Portuguesa
Com o apoio:
Ministério dos Negócios Estrangeiros
Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional
Ministério da Economia e Inovação
Ministério da Ciência, da Tecnologia e do Ensino Superior /Ciência Viva – Pavilhão do Conhecimento
Comissão Nacional da UNESCO

PROGRAMA
Quinta-Feira 19 Novembro
17:00 Abertura da Exposição World Press Photo, Tenda BESA
18.00 (15min) Conferência de Imprensa sobre os resultados da reunião do Ano Internacional do Planeta Terra (AIPT), Tenda BESA
19.00 Recepção na Câmara Municipal de Lisboa (Paços do Concelho)
Sexta-Feira 20 Novembro
8.00 Recepção dos Participantes no Teatro Camões
9.30 Cerimónia de Abertura
International Year of Planet Earth - Geo-Movie (5 min.)
Mensagem de Sua Excelência o Presidente da República, Prof. Aníbal Cavaco Silva
Intervenção do Presidente da Comissão Nacional da UNESCO / Comité Português do AIPT, Embaixador Fernando A. Guimarães
Intervenção do Presidente da União Internacional das Ciências Geológicas - IUGS, Prof. Alberto Riccardi
Intervenção do Director-Geral para as Ciências Naturais da UNESCO, Prof. Walter R. Erdelen
“O Legado e o Futuro do AIPT” pelo Director Executivo da Corporação AIPT, Prof. Eduardo de Mulder
Mensagem do Presidente da Comissão Europeia, Dr. José Manuel Durão Barroso
10.30 Pausa para Café
11.00 Cerimónia de Abertura (continuação)
Filme do Comité Português para o Ano Internacional do Planeta Terra (5min.)
Intervenção do ex- Presidente da República Portuguesa, Dr. Mário Soares
Intervenção da Ministra do Ambiente de Portugal, Engª Dulce Pássaro
Intervenção da Ministra do Ambiente de Angola, Drª Fátima Jardim
Intervenção da Ministra da Educação de Cabo Verde, Dra. Vera Lobo de Pina
Intervenção do Ministro da Ciência e Ensino Superior da Noruega, Tora Aasland
Intervenção do Ministro da Educação da Tanzânia, Prof. Jumanne A. Maghembe
Intervenção do Secretário Executivo da CPLP, Engº Domingos Simões Pereira
12.45 Almoço volante no Teatro Camões
14.00 GEO-SONG Actuação dos Estudantes dos 80 países presentes
14.10 Introdução dos Temas das duas Conferências por Aubrey Manning
14.30 1ª Conferência: Energias Renováveis.
Introdução por Andrea Ricciardi (Itália)
Moderador: Humberto Rosa, Secretário de Estado do Ambiente (Portugal)
Orador: Manuel Pinho, ex-Ministro da Economia e Inovação (Portugal)
Perspectiva Científica: Jean-Claude Autrey (Maurícias), Secretário-Geral do ISSCT
Perspectiva Industrial: António Mexia (Portugal), CEO EDP
16.00 Pausa para Café
16.30 2ª Conferência: Sustentabilidade da Biosfera e Gestão de Recursos Hídricos
Introdução por Catherine Abon (Filipinas)
Moderador Ruud Lubbers, ex- Pimeiro-Ministro da Holanda e Patrono do IYPE
Intervenção: Gerda Verburg (Holanda), Ministra da Agricultura e
ex-Presidente do Comité do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas
Perspectiva Científica: S. Paramananthan (Malásia)
Perspectiva Industrial: Edward Bickham (Reino Unido)
17.50 Apresentação da “One Geology”, por Marko Komac, Director da “Geological Survey (Eslovenia)
18.00 Entrega de Prémios
19.00 Cerimónia de Encerramento pelo Primeiro-Ministro de Portugal, Eng.º José Sócrates
19.30 Jantar Volante no Pavilhão do Conhecimento (Actuação da Quantunna da Universidade de Coimbra)
21.30 Evento Cultural Kamu Suna Ballet, Bailado “Love the Earth”
Sábado, 21 Novembro
Exposições de Entidades Nacionais e Internacionais, abertas ao público, no Pavilhão do Conhecimento, Oceanário e espaços exteriores do Parque das Nações.
9.30 – 13.15
3ª Conferência Internacional: “Planeta Oceano” (Sala Sophia de Mello Breyner , Oceanário de Lisboa)
Abertura: Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, João Gomes Cravinho (Portugal)
Introdução: Sr. Tomaru (Japão)
Moderador: Mário Ruivo (Portugal), Presidente do Comité Português para a Comissão Oceanográfica Intergovernamental – COI
Relator: Prof. Emanuel Gonçalves (Portugal)
Chérif Sammari (Tunísia), Vice-Presidente da COI
Harsh Gupta (Índia)
John Delaney (EUA)
Debate
Apresentação da Declaração de Lisboa para os Oceanos
15.30 – 19H00 Reunião dos Parceiros Internacionais do AIPT (Sala Sophia de Mello Breyner, Oceanário de Lisboa)
9.30 – 13.15 Conferência dos Comités Nacionais do AIPT (Auditório,Pavilhão do Conhecimento)
Presidente da Mesa: Werner Janoschek
Relator: Morten Often
9.30 – Boas-vindas pelo Presidente da Mesa
9.35 – Tour de Table
9.45 – Resultados do Questionário do IYPE (Eduardo de Mulder)
10.00 – O Futuro e a posição dos Comités Nacionais (Eduardo de Mulder)
10.20 – Discussão
11.00 – Pausa para café
11.30 – Comunicações:
11.30 – Comité Nacional de Portugal (Maria Helena Henriques)
11.45 - Comité Nacional da Costa Rica (Enid Gamboa)
12.00 - Comité Nacional dos EUA
12.15 - Comité Nacional da África do Sul (vídeo)
12.30 - Comité Nacional da Coreia (Jae-Yong)
12.45 - Comité Nacional do Brasil (Oiti Berbet)
13.00 - Comité Nacional da França (Denis Vaslet)
13.15 – Encerramento da Sessão
13.30 Conferência de Imprensa (Tenda BESA)
14.00 – 16.00 Conferência YES – Young Earth Scientists (Auditório, Pavilhão do Conhecimento)
16.00 -18.00 – Conferência”Planeta Terra África” (Auditório, Pavilhão do Conhecimento)
Sábado e Domingo, (20-22 de Novembro), Pavilhão do Conhecimento
No Pavilhão do Conhecimento estarão patentes 25 stands, que constituirão uma mostra de alguns dos projectos nacionais mais interessantes desenvolvidos durante o AIPT, e onde a música, o cinema, a literatura e desportos radicais marcarão presença, assim como actividades lúdicas, didácticas e interactivas para toda a família, sob o lema “Venha desvendar os segredos da nossa casa – o Planeta Terra - através de uma viagem fascinante por fósseis, vulcões, sismos e paisagens deslumbrantes...”.
Destaque – Stands:
- Projectos Educativos de cinco Escolas Associadas da UNESCO (ex: maquetas, desenhos, filmes, posters, jogos interactivos, como o Eco-Trivial e livros elaborados por alunos e professores);
- Programa Regional de Educação Ambiental pela Arte – “Contos do Mago”, viagem por lendas e mitos ficcionados que explicam a realidade geológica da Região do Algarve e histórias de encantar os mais novos;
- Projectos científicos promovidos pela Ciência Viva, sobre os Oceanos, Biodiversidade e Saúde Humana, Florestas e Rochas portuguesas e Energias Renováveis.
- Ano Internacional da Astronomia - 2009: exibição de uma exposição que realça a forte relação existente entre a Astronomia e as Ciências da Terra e, ainda, com observações solares e nocturnas promovidas por astrónomos;
- Museu da Pedra de Cantanhede: realce para a importância da preservação do património geológico e cultural da região, através de actividades lúdicas centradas na utilização da Pedra de Ançã; atelier de corte de pedra;
- Tapada Nacional de Mafra: venha conhecer as texturas e as cores da fauna e flora locais, e a importância da floresta, dos veados e javalis, através de jogos e actividades para os mais jovens;
- Universidade Aberta oferecerá experiências na área da Geologia, Física e Química;
- Geopark Arouca: venha conhecer os fósseis das maiores Trilobites do mundo e as famosas Pedras Parideiras, através de actividades lúdicas (utilização de moldes em gesso e gelatinas para brincar e comer) e onde não faltarão os produtos gastronómicos e a música tradicional da região, e uma Torre de Escalada para os mais audazes;
- Geopark Naturtejo: venha fazer uma viagem virtual fascinante pelo vasto território do Geopark, através do seu “cyber-quiosque”, conhecendo as suas fantásticas paisagens e Geosítios de excepcional beleza, ao som dos adufes da região;
- Stand Açores: conheça as três Reservas da Biosfera Portuguesas pertencentes à Rede de Reservas da Biosfera da UNESCO (Corvo, Graciosa e Flores) e o Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos, com a simulação de erupções vulcânicas, uma estação sismográfica e kits de rochas vulcânicas e, ainda, os produtos gastronómicos e artesanais da região;
- Empresa do Desenvolvimento Mineiro - EDM: destaque para a importância dos recursos naturais na vida quotidiana e na economia mundial. Mostra de minerais variados e valiosos;
- EDP: conheça o Projecto Educativo “O Ambiente é de Todos – Vamos Usar Bem a Energia”, que promove a reflexão sobre as “Alterações Climáticas” e a “Eficiência Energética” com a apresentação do projecto educativo;
- Bayer: conheça os projectos educativos desenvolvidos, nomeadamente “Ideias que Mudam o Mundo”, o Projecto mundial “The Billion Tree Campaign” e o 18º Concurso Internacional de Pintura Infantil;
- Grupo Auchan: especialmente dedicado para os mais pequenos com a promoção de jogos e actividades lúdicas, em torno do projecto ECOPOLIS e com a apresentação da Peça de Teatro infantil “Pé-de-Vento na Lixeira”;
- CARRIS: com o mote “melhor mobilidade, melhor ambiente”, convidará todos os visitantes a contribuírem para uma Lisboa mais sustentável.
PROGRAMA CULTURAL
Palco junto ao Foyer do Pavilhão do Conhecimento
Sábado, dia 21 de Novembro
11.00 - Abertura do Pavilhão aos visitantes: Leitura “Contos da Dona Terra”
11.30 – 1ª Sessão da Peça de Teatro infantil "Pé-de-Vento na Lixeira" (Produção Grupo Auchan)
12.15 - Tuna Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - UTAD
14.00 - Adufeiras - Geopark Naturtejo
14.30 - Assinatura do Protocolo entre o Geoparque Arouca e a Comissão Nacional da UNESCO
Lançamento do livro "Mãos na Terra da Gelatina"
Grupo de Cantares de Arouca
15.30 - Tuna Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro - UTAD
16.00 - 2ª Sessão da Peça de Teatro infantil "Pé-de-Vento na Lixeira" (Produção Grupo Auchan)
17H00 - Escola Municipal de Música – António de Lima Fragoso (Cantanhede)
“CANTEMUS – Coro Juvenil de Cantanhede
18H00 - Leitura do “Contos da Dona Terra” e do Conto “A história do Zeca Garro"
19H00 - Encerramento do Pavilhão
“Contos do Mago”: actuação de 150 crianças vindas do Algarve (vários momentos ao longo do dia).
Auditório - Estarão a decorrer múltiplas Conferências Internacionais (das 9H00 às 18H00)
Domingo, dia 22 de Novembro
11.00 - Abertura do Pavilhão aos visitantes: Leitura do Conto “A história do Zeca Garro"
11.30 – 1ª Sessão da Peça de Teatro infantil "Pé-de-Vento na Lixeira" (Produção Grupo Auchan)
12.00 - Leitura “Contos da Dona Terra”
15.00 - Leitura do Conto "Memória de um Rio" - Fluviário de Mora (contadora de histórias: Joaninha Duarte)
16.00 - 2ª Sessão da Peça de Teatro infantil "Pé-de-Vento na Lixeira" (Produção Grupo Auchan)
17.00 - Leitura “Contos da Dona Terra”
19H00 - Encerramento do Pavilhão
Auditório: Exibição de filmes e Palestras
11.00 – 11.00 - Filmes AIPT (Comité Português para o AIPT e Filme internacional)
11.00 – 12.30 - Filmes Premiados no Festival de Seia
12.30 – 15.00 - Filmes de várias entidades (incluindo Geoparques) e Documentário AIPT
15.00 - 16.00 - Projecto “Integration Ocean”
16.00 – 16.30 - Documentário AIA (excerto de 20 minutos)
16.30 – 17.30 - Palestra: "A Terra: um astro debaixo dos nossos pés" (Orador Dr. José Saraiva do Instituto Superior Técnico (Ano Internacional da Astronomia)
17.30 – 19.00 - Documentário AIPT (Comité Português para o AIPT) e filmes de outras entidades

16/11/2009

Ne change rien

Pedro Costa filma Jeanne Balibar como cantora a preto e branco. A luz e som magistralmente captados, acompanham a actriz em sessões exaustivas de canto, que passam pelos mais variados registos musicais, do rock ao canto lírico. “Ne Change Rien”, o último filme do cineasta Pedro Costa é o filme de Novembro da Antena 3. O aclamado realizador português filmou a cantora Jeanne Balibar, na intimidade das sessões de gravação, captando a essência da música e das palavras. Uma belíssima composição cinematográfica apresentada em estreia mundial no festival de Cannes 2009.Recentemente homenageado pela Tate Modern, em Londres, Pedro Costa tem recebido a deferência da crítica internacional pelo conjunto de uma obra singular, que honra o cinema e a cultura portuguesa além fronteiras.

Há falsas enfermeiras a trabalhar em Instituições de Solidariedade Social. Também as há sem cédula profissional e nem na ordem estão inscritas...

Ordem dos Enfermeiros criou grupo de trabalho dedicado a detectar falsos enfermeiros ou profissionais sem cédula em lares de idosos. Apesar de em Coimbra não haver casos, e de o projecto estar a arrancar no Norte, só este ano já há nove processos de usurpação de funções na região de Lisboa, mais nove casos prováveis. Mas a OE estima que haja dezenas. Os lares de idosos e as casas de repouso estão a empregar "dezenas de pessoas que se fazem passar por enfermeiros", denuncia a bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Maria Augusta Sousa. Só na região de Lisboa, o Ministério Público tem em mãos nove casos de crime por usurpação de funções, denunciados pela ordem. A estes poderão juntar-se outros nove casos denunciados por cidadãos, possivelmente familiares de doentes colocados em lares. Estas irregularidades afectam a saúde destes doentes e podem ser fatais. O exercício ilegal da profissão é uma das maiores preocupações da associação que regula a carreira da enfermagem. Além de haver pessoas a usurpar estas funções, há muitos casos de enfermeiros ilegais por não estarem inscritos na OE e não terem cédula profissional (ver texto em baixo). Rogério Gonçalves, presidente do Conselho Directivo da Secção Regional do Sul da OE, diz que "a prática da enfermagem por curiosos é o caso mais grave de exercício ilegal e ocorre sobretudo em lares. Nos centros de saúde, hospitais e estabelecimentos privados, este problema é controlado pela Entidade Reguladora da Saúde". Nos lares, e eventualmente em alguns postos de enfermagem, as situações repetem-se, o que leva a bastonária a calcular que haja mais de cem situações do género. Isto porque muitos lares não têm alvará, ou seja, não estão licenciados. "Durante o processo de licenciamento, a Segurança Social trabalha em articulação com a ordem, denunciando as situações de exercício ilegal", acrescenta Rogério Gonçalves. O problema é que, apesar de ser obrigatório, há centenas de lares sem alvará e sem um enfermeiro a liderar a área técnica. Na região de Lisboa, por exemplo, são mais de 150 em 280. Os riscos para os idosos são inúmeros: "Algaliar um doente, por exemplo, não é só colocar um tubo. É uma técnica difícil com risco de infecção", diz Rogério Gonçalves, lembrando que a administração de injecções não é isenta de riscos. "Sem conhecer medicamentos, podem basear-se nas cores de comprimidos e trocá-los. Se o idoso tiver uma reacção adversa, ele não vai saber o que fazer." Podem, em último caso, "deixar morrer um doente, nem que seja à sede, por não perceber os sinais". A bastonária diz que o fenómeno vai baixar com "o esforço das famílias, cidadãos, doentes e a intervenção da Segurança Social e da OE". Há cuidados de mobilidade, alimentação e relacionamento que só o enfermeiro conhece. Ao DN, a bastonária admite que, nos lares em que "há mais idosos com alto grau de dependência, deve ser garantida a presença 24 horas de um profissional", proposta que "será feita aos Ministérios da Saúde e à Segurança Social".
in: http://www.destakes.com/redir/69467134c0a790b3c6c54ef1ecf8ce85

"Família lava as mãos e não verifica as condições dos lares"

Entrevista a Lino Maia, Presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade.
Tem conhecimento de casos de enfermeiros falsos nas unidades e lares da Confederação que lidera?
Já ouvi falar em casos de falsos enfermeiros, mas é difícil existirem em instituições de solidariedade social, porque geralmente são sujeitas à fiscalização da Segurança Social, que denuncia todas as situações que detecta. A maior parte dos casos deve ocorrer fora deste universo.
Perante este cenário, a solução não passaria por uma mais ágil concessão de alvarás?
Penso que sim. Era importante que o processo fosse acelerado, porque estes atrasos viabilizam a ocorrência de situações perversas como a usurpação de funções e a clandestinidade. Isso seria importante porque muitos dos nossos idosos acabam por ser prejudicados e estar em unidades sem as condições exigíveis.
A Ordem dos Enfermeiros apela às famílias para que verifiquem se os profissionais têm cédulas. Que conselhos dá às famílias nos cuidados aos idosos?
Isso seria o ideal, mas as famílias, na maior parte das vezes, lavam as mãos dessas situações. Querem apenas entregar os seus idosos numa instituição qualquer. Há muito abandono destas pessoas. Por isso, considero que tem de ser o Estado a controlar e a regular estas instituições e a corrigir estas situações de clandestinidade.

15/11/2009

"Capitalismo: Uma História de Amor". Novo documentário de Michael Moore

A taxa de desemprego no Michigan - no nordeste dos EUA, junto ao Canadá - é a mais alta do país e é ainda mais elevada em certas regiões do estado, onde fecharam numerosas fábricas de componentes para automóveis.
O filme atribui a responsabilidade pela crise económica à política de desregulação do mercado iniciada pelo Presidente Reagan e à ganância dos executivos empresariais que Moore acredita terem minado a livre empresa com política que beneficiaram um por cento - os mais ricos - com prejuízo das classes mais baixas e média. Moore, que nasceu em Flint, no Michigan, explicou que foi melhor ter produzido o filme em Traverse City, "no coração da crise, do que na bolha de Nova Iorque". Restam poucas dúvidas que este será mais um filme controverso de Michael Moore, que há muito que suscita a ira dos mais conservadores, nomeadamente com a sua sátira negra contra a paixão pelas armas, em "Bowling for Columbine" e com "Fahrenheit 9/11", de crítica à política de Bush em relação aos atentados do 11 de Setembro. O seu documentário crítico mais recente, "Sicko", é uma sátira implacável ao sistema de saúde norte-americano. O antigo governador republicano William Milliken, que assistiu à exibição de "Capitalism: A Love Story", considerou o filme impressionante."A mensagem sobre as injustiças que ainda persistem e dominam a nossa sociedade é impressionante", disse Milliken.

14/11/2009

Um exemplo de um moínho recuperado

fica em frente ao "Santarém Hotel". Este moínho foi recuperado pela Câmara Municipal de Santarém no âmbito do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo, sendo hoje uma pastelaria/café bastante aprazível e muito frequentado.